28 dez 2011

Calendário de vacinas

Cris

happy thoughts for maizie
As vacinas precisam fazer parte da vida de todos os animais domésticos, e os gatos não poderiam ficar de fora disso. A melhor pessoa para definir com você o esquema de vacinação dos seus bichanos é o veterinário. Aliás, o veterinário deveria ser o melhor amigo dos gatos e de seus humanos, mas ainda vemos que essa situação não é uma regra. Muitas pessoas não dão importância para a vacinação e, agindo assim, não percebem que estão colocando a saúde de todos em risco e abrindo oportunidades para que seu bichinho venha a adoecer e até falecer.

As duas vacinas que fazem o calendário de vacinação dos bichanos são as múltiplas (tríplice, quádrupla ou quíntupla) e a anti-rábica. A seguir está uma breve descrição das doenças que cada uma delas combate.

  • Tríplice: Rinotraqueíte, Panleucopenia e Calicivirose
  • Quádrupla: As mesmas da Tríplice + Clamidiose
  • Quíntupla: As mesmas da Quádrupla + Leucemia Felina
  • Anti-rábica: Raiva

Em um outro post falaremos mais a fundo a respeito das doenças felinas. Quanto à época certa para aplicação das vacinas, isso também deve ser uma decisão tomada em conjunto com seu veterinário, sendo que o pré-requisito para que a vacinação seja feita é o bom estado de saúde do animal, sem febre ou diarreia. Ele também já deve ter recebido a dose de vermífugo antes do início da vacinação. De uma forma geral, a vacinação para gatos filhotes seguem essas recomendações:

  • Entre 45 e 60 dias de vida, primeira dose da vacina múltipla.
  • De 21 a 30 dias depois da primeira dose, é dada a segunda dose da vacina múltipla.
  • Em torno de 120 dias de vida, dose da vacina anti-rábica.

Para adultos que nunca foram vacinados, os mesmos intervalos e doses são observados. Após essa vacinação inicial, os gatinhos devem receber reforço da vacina múltipla e da anti-rábica uma vez ao ano, um ano depois da última dose de cada uma delas, não sendo recomendável que se passe mais de um mês de atraso do reforço, pois pode ser necessário ter que recomeçar novamente o esquema de vacinação.

Imagem: Huro Kitty


21 dez 2011

Cuidados ao se viajar

Cris

Rainy day...
Final de ano é época de viajar, passar Natal e Ano Novo com as pessoas queridas, sair para descansar um pouco a cabeça, conhecer novos lugares… mas e os bichanos, o que fazer?

Existem duas situações possíveis: ou a gente leva os bichinhos na viagem ou arrumamos alguém para ser a babá dos nossos bebês. Também podemos arrumar um hotel em algum Pet Shop ou veterinário, mas não são todas as cidades que oferecem esse recurso. Então, qual a melhor solução? Não existe a melhor, existe a solução mais plausível e possível para o momento, pois vai haver estresse de qualquer jeito, já que a rotina deles será alterada em ambos os casos.

Se escolhermos levá-los na viagem, vai haver mudança de ambiente e a viagem em si. Se eles ficarem, não terão a companhia e os cuidados da forma como estão acostumados. Então, escolham qual o menor prejuízo e tomem alguns cuidados para que as surpresas sejam as menores possíveis.

Viajar com os Felinos

Se a escolha foi levar os bichinhos, procure pensar em todas as situações que podem acontecer e se prepare antes. É claro que alguma vai passar batida, mas faz parte do processo. Entre alguns cuidados corriqueiros, estão:

  • Providencie as caixas de transporte mais adequada para seus bebês. Existem caixas de vários tamanhos, assim como os gatos são de vários tamanhos. Procure por uma caixa nem tão pequena que ele não consiga se movimentar o suficiente, nem grande o bastante para que ele se sinta solto e role pela caixa. Eles precisam estar confortáveis.
  • Com alguns dias de antecedência, no mínimo uns 15 dias, reveja a carteira de vacinação dos peludos e atualize alguma vacina, se necessário. Assim ele tem um tempo para ter alguma reação adversa e melhorar.
  • Leve ração suficiente para os dias que vai passar fora e um pouco a mais, por precaução. Se deixar para comprar a ração no destino da viagem, corre o risco de não encontrar a de costume e gerar mais um desconforto para o bichinho. Além de problemas digestivos que uma troca abrupta pode causar.
  • Leve areia e as caixinhas. O ideal é que eles se sintam o mais familiarizados possível.
  • Procure seu veterinário de costume e peça um remédio para enjoo para o caso do gatinho não se sentir bem com o balanço da viagem.
  • Coloque na bagagem as caminhas ou, pelo menos, alguns paninhos nos quais eles costumem se deitar. Um cheirinho familiar será muito bem vindo.
  • Coleira com identificação e no mínimo um celular de contato pode ser providencial no caso de uma escapada não contida.
  • Se for ficar em algum hotel, se certifique de que ele aceita animais para não ter nenhuma surpresa desagradável.
  • Caso vá ficar em uma casa alugada ou de parentes/amigos, também se certifique de que, se não a casa inteira, pelo menos haja uma área em que os gatinhos possam ficar soltos e que não tenha rotas de fuga.
  • Brinquedos para ajudá-los a distrair também podem ajudar bastante.
  • Coloque na sua agenda o celular e algum outro telefone/modo de contato com o seu veterinário. No caso de uma emergência, ele pode ajudá-lo via telefone ou email.

Deixar os Felinos em Casa

É uma alternativa bastante usada, pois é a que mexe menos com a rotina dos bigodudos. Mas precisa de alguém de confiança e comprometido para que corra bem mesmo. Apesar de não precisar de tantas providências quanto a opção de levar os gatinhos na viagem, alguns cuidados são fundamentais.

  • Deixe ração e areia em quantidade suficiente para os dias em que ficará fora.
  • Se o cuidador já estiver acostumado em ficar com os peludos, menos mal. Se for a primeira vez, peça para a pessoa ir em sua casa alguns dias antes de você viajar e explique detalhadamente onde estão ração, areia e apetrechos, como é feita a limpeza da caixinha e o que fazer com os detritos recolhidos.
  • Deixe todos os contatos que a pessoa possa precisar, principalmente o seu e o do veterinário.
  • Providencie algum valor em dinheiro e deixe para o caso de um imprevisto acontecer.
  • Se mora em apartamento, apresente o cuidador aos porteiros e deixe autorizada a sua entrada.
  • E por último, embora pareça óbvio, não se esqueça de deixar as chaves da sua casa/apartamento com a pessoa.
Imagem: Kat…

29 jul 2010

Dia de vacina!

Cris

Hoje fui levar o Garfield para a segunda dose da vacina e o Cisquinho para a primeira. A diferença de personalidade é gritante!! Enquanto o Garfield fica quietinho, se deixa examinar e vacinar e não solta um miadinho sequer (diferente daquele ser que parecia uma sirene de miar quando chegou!), o Cisquinho poderia se encaixar na classificação “demônio da Tansmânia”. Meu Deus, ele é um terror!! Chora, reclama, se debate, arranha, morde, é impossível! Como um ser minúsculo (até a veterinária perguntou se ele ia ficar pequenino pra sempre… rsrsrs) pode dar tanto trabalho? Mas no final tudo deu certo e os lindinhos estão vacinados. O Cisquinho precisa voltar mês que vem para segunda dose.

Também preciso criar coragem e colocar em prática uma dica que achei super bacana, dada pela Luísa no blog Louca dos Gatos. Os gatinhos gostam de comer matinho e ele ajuda a expelir os pelos que eles engolem quando se lambem. Eu já havia comprado umas embalagens na loja de ração que basta jogar água e brotam os matinhos. Mas custa caro, ainda mais quando se tem 6 gatos… rsrsrs A Luísa ensinou a fazer o matinho com milho de pipoca. Já comprei a pipoca, já tenho o vaso, a terra, só falta coragem. Acho que vou encontrá-la hoje à tarde… :D


19 jun 2010

Quer conhecer um dos melhores amigos das gateiras e gateiros?

Cris

Quando nós começamos a encher nossa casa de gatinhos, teve algo que surgiu abundantemente em nossas vidas, além de amor: os pelos. Sim, gatos soltam pelos, e muitos. Principalmente se é um gato com pelos longos como o Kotó. Quando são pequenos, quase não notamos, mas quando se tornam todos adultos, não há como não ver ou como fugir deles.

É claro que isso não muda em nada o quanto os amamos e como nos divertimos, só é mais um detalhe. Só que um detalhe que precisa ser pensado e resolvido. Quanto aos pelos nas roupas, eu já desencanei, ando como se estivesse usando a peça mais fashion do mundo… hehehehe Mas e no resto da casa?

No final do ano passado, cheguei à conclusão que um aspirador de pó seria de muita utilidade. Meu marido achava que era impressão, que iríamos comprar e ele ia ficar parado em um canto, sem uso. Mas aí, ganhamos um bônus em uma das lojas na qual fazemos compras online, ia sair quase de graça… compramos. E vou falar para vocês, se existe um utensílio doméstico que é um ENORME amigo das gateiras, é o aspirador de pó.

Não adianta varrer nem tirar os pelos dos móveis com pano, a gente só tira o pelo do lugar. Com o aspirador não, eles vão todos diretamente para o saquinho do aspirador, uma mágica!!! :) A primeira vez que troquei o saco do aspirador não foi por ele estar cheio (ele estava, mas não 100% ainda), foi porque aspirei um brinco de cima da minha penteadeira. Essas coisas acontecem… rsrsrs E como gostava muito do brinco, fui abrir o saquinho para resgatá-lo. Tudo o que eu posso dizer é: dava para fazer uns dois Kotós e ainda sobrava pelos para um filhotinho… :D

Hoje eu não vivo mais sem o aspirador. Como o cômodo da casa preferido pela Família Gatos é o nosso quarto, mais especificamente a nossa cama, eu costumo passar o aspirador sempre e é muito eficiente. Além de facilitar nossa vida ao extremo, consigo manter as coisas em ordem sem muito esforço.

Portanto, se você ainda tem dúvida entre ter ou não um aspirador, eu digo: tenha com fé! Assim como um veterinário, ter um aspirador de pó é um item que não pode faltar na vida de quem tem gatos… rsrsrs


16 jun 2010

Quanto custa ter um gato? E um cachorro??

Cris

Como diria o slogan da Pedigree, adotar é tudo de bom… mas e depois da adoção? Um dos quesitos da posse responsável é poder proporcionar qualidade de vida ao nosso animalzinho, com boa ração, vacinas, veterinário, brinquedinhos… e isso custa dinheiro. Você sabe quanto? Para ajudar com essas informações, indico dois links.

Um deles é um artigo da ARCA Brasil intitulado “Os primeiros passos do cão em seu novo lar“. Tem informações excelentes e esclarecedoras sobre o que é necessário fazer, o que comprar, quais vacinas e quando dá-las, e mais um monte de coisas. Nele não há preços mas, sabendo o que precisa ser comprado ou feito, basta fazer uma rápida pesquisa na cidade onde se mora e teremos uma noção dos custos.

O outro é um post do blog da Lu Monte, o Cadê o Atum?. O título do post é “Quanto custa ter um gato?” e nele ela fez um levantamento detalhado sobre os custos iniciais e mensais de se ter um gatinho. Só precisa atualizar os valores para aqueles praticados no lugar onde você mora.

Prontinho. Assim você já tem uma noção do quanto custará seu bichinho e se estará preparado para isso. Pois ver a felicidade deles, como disse a Lu no seu post, não tem preço;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...