Participação de hoje: Denise, voluntária e lar temporário da AUG

Cris

Antes de começar com a entrevista de hoje, vamos lembrar o pessoal de que é o último dia para se inscrever para os sorteios dos brindes de aniversário. Façam sua inscrição aqui e aguardem, amanhã saem os ganhadores!! ;)

E vamos lá. A participação de hoje é com a Denise, uma querida voluntária e também lar temporário de gatinhos resgatados pela ONG Adote Um Gatinho. Dê, obrigada pela entrevista, eu amei…

******************************************************************************

Lãs, Linhas & Pelos – Há quanto tempo você é voluntária da Adote Um Gatinho? Qual, ou quais, sua função dentro da ONG?
Denise Granja – Sou voluntária do AUG há 2 anos e atualmente sou responsável pelas rifas e por 3 gatinhos que estão para adoção.

Shanti - minha filha

Roseli - gatinha que eu resgatei e doei

LLP – Como surgiu o interesse em participar de uma ONG que cuida de gatinhos?
DG – Conheci o AUG por conta de uma aluna e achei o site lindo, recheado de gatinhos fofos. Comecei a olhar o site de vez em quando
para ver os gatinhos novos, checar quem tinha sido adotado, aprender mais sobre os gatinhos e ler as notícias no blog. Acabei me
tornando voluntária logo depois que adotei meus dois primeiros gatinhos porque me apaixonei pelo trabalho do AUG. Tem como não se
apaixonar?

Bella - temporária já doada

Quincas - temporário já doado

LLP – Você já tinha gatinhos antes? Se sim, quantos e quais bichanos passaram pela sua história?
DG – Nunca tive gatos e, para ser sincera, morria de medo deles. Achava todos lindos e super elegantes, mas tinha pânico de chegar
perto, até porque cresci ouvindo aquele monte de baboseiras que falam sobre os gatos (‘gato é traiçoeiro’, ‘gato só gosta da casa’, etc). Quando era criança, passava férias na casa de praia dos meus pais e era apaixonada por um gatinho de uma vizinha, o Tonico. Ele não era nada do que falavam sobre gatos! Depois que a dona dele se mudou, só fui ter contato de novo com gatos porque fiz amizade com uma pessoa no trabalho que tinha vários gatinhos em casa. Escutando o que ela falava sobre eles, fui começando a gostar da ideia de adotar um gatinho. Para poder fazer isso, eu precisava sair da casa dos meus pais, controlar o meu medo e aprender a lidar com felinos. Justamente quando estava amadurecendo essa ideia, uma gatinha preta apareceu na porta da casa dos meus pais. Sem saber o que fazer, liguei para a minha amiga e ela se ofereceu para ficar com a gatinha, até porque meus pais não aceitariam a pequena em casa de jeito nenhum. Peguei aquela bolinha de pelos e levei até a casa dela, desesperada.
Vacinamos, castramos e doamos a Roseli logo depois. Depois dessa experiência, já não tinha mais dúvidas: eu queria ter um gatinho. Quando aluguei meu apartamento e fui morar sozinha, passei a ler tudo o que encontrava sobre os gatos. Não queria errar com eles e tinha muito medo de cometer algum deslize por conta da minha total falta de experiência. Quando finalmente me senti preparada, começou a tortura: como escolher um gatinho? Eu olhava o site e gostava de todos! Para facilitar a minha escolha, defini algumas características essenciais para o meu futuro gato: tinha que ser adulto e encalhado. Com isso, eliminei vários candidatos e fiz uma planilha comparando os que tinham sobrado. A dúvida era tanta que até organizei uma votação entre as pessoas mais próximas! No final das contas, resolvi escolher o que tivesse a carinha mais simpática e quem ganhou nesse quesito foi o Brother (curiosamente igual ao Tonico!). Como todo mundo disse que seria melhor adotar dois gatinhos de uma vez, escolhi a gatinha que me parecia ser uma boa companhia ao moço, a Shanti. Por sorte, os dois moravam juntos e eu não tive que me preocupar com adaptação. Adotei os dois e recebi um convite para entrar no grupo de emails das voluntárias.
Na minha primeira visita ao abrigo, me apaixonei pela Gigi e adotei a carequinha no dia seguinte. Logo depois, adotei a Glória e o time ficou completo!

Leo e Gloria - Leonardo, o temporário que eu quase adotei, e minha 4a filha

Nair e Irineu - temporários já doados

LLP – Como é o trabalho e a rotina de um lar temporário?
DG – Cuidar de um gatinho temporário é exatamente como cuidar de um dos nossos, nada além disso. Gatinhos são normalmente
limpinhos, silenciosos e precisam de carinho, comida boa, água fresca e uma caixa de areia limpa para serem felizes. Quando um gatinho chega da rua, ele não está pronto para ser adotado, até porque precisa ser vacinado, vermifugado e castrado (o AUG só doas gatinhos assim!). Muitas vezes o gatinho tem medo de gente ou tem algum machucado. Dar lar temporário é preparar o gatinho para adoção, em todos os sentidos. Amo todos os que passaram pela minha vida e me apeguei demais a alguns. Doar um gatinho que morou com você por 6 meses não é uma tarefa fácil e eu, manteiga derretida, costumo sair da casa dos adotantes me matando de chorar. Apesar da saudade que eu sinto deles, a sensação que fica é a de dever cumprido. Recebo depois as notícias dos meus queridos e fico tranquila sabendo que estão em boas mãos.

Camafeu e Manjar - filhos da Pati

Chegada - Brother e Shanti no dia em que chegaram em casa

LLP – Quantos e quais gatinhos estão com você, como temporários, no momento?
DG – São 3 gatinhos sob a minha responsabilidade: Lola, Chris e Bruce. Meu pai encontrou esses gatinhos na praia e o Mike, irmão
deles, já foi adotado.

Pati e bebês

Pluma - temporária já doada

LLP – E seus adotados, quantos e quais são? Nos conte sobre a história da adoção deles.
DG – Tive como temporários o Fritz, a Valentina, a Bella, o Leonardo, o Quincas, a Pluma, a Pati e seus 5 filhotes, o Crush, a
Muriel, a Nair, o Irineu, os gatinhos da praia. Fora os que passaram bem pouco tempo em casa, como o Vicente, as Super Poderosas, o Lambrusco, os bebês… Os três primeiros ficaram pouco tempo comigo e a primeira doação difícil foi a do Leonardo, que morou comigo por mais de 6 meses.
Muita gente achou que eu não conseguiria doar o Leo e que ele acabaria sendo adotado por mim. Até hoje choro vendo as fotos dele! No caminho para a casa da adotante, cheguei a pensar em desistir. Felizmente, o bom senso falou mais alto e eu fiz a entrega do fofinho. Ele ganhou uma irmã também do AUG, a Aída.
A doação do Quincas foi outro drama. Eu sou apaixonada por ele e ele morou tanto tempo comigo que passou a ser parte da família. Sortudo, foi adotado por uma das pessoas mais fofas que eu já conheci. Recebo notícias e fotos dele e já fui visitá-lo, inclusive.}
Quando eu achei que tinha me acostumado a ser mãe temporária e já tinha passado por todos os testes, veio o golpe final: doar a Pati e seus 5 bebês. Depois que os pequenos cresceram e puderam ser castrados, foram para o site e comecei a receber uma montanha de formulários de adoção (isso porque 4 deles são branquinhos). Consegui doar a Pati com a filha mais apegada a ela, a Camafeu, e fiquei aliviada. A Cocadinha foi adotada por um casal super fofo e ganhou uma irmã pretinha linda. O Leeloo foi adotado por um doce de mulher e sua filha pequena, ambas apaixonadas por ele. Sobraram dois filhotes em casa e, como eles eram muito apegados, decidi que só doaria os dois juntos. O tempo foi passando, eles foram crescendo e eu fui me apegando cada dia mais, até que apareceu uma adotante novata como eu quando adotei os meus, preocupada em não errar. Quando ela decidiu que queria mesmo adotar os dois, entrei em desespero. Saí da casa dela aos prantos, mas satisfeita por ter a certeza de que eles seriam bem tratados. Atualmente acompanho a vida deles pelo blog que a mãe deles fez: http://diariodoisgatos.wordpress.com/

Gigi - 3a filha que chegou careca porque estava em depressão (agora já é peludinha!)

LLP – Nesse tempo trabalhando com a ONG e com temporários, quais histórias te marcaram mais?
DG – Cuidar de uma família de gatinhos e acompanhar o crescimento dos bebês foi o que mais me marcou. A mamãe Pati cuidava tão
lindamente dos filhotinhos… Foram as cenas mais lindas que eu já vi na vida!

Leonardo e eu

Mingau, filho da Pai

LLP – E como eu sempre peço, deixe um recado para as gateiras e gateiros que acompanham o blog.
DG – Por favor, cuidem bem dos seus gatinhos e não deixem que eles saiam pela rua. Gatinhos que passeiam nem sempre voltam e muitas
vezes voltam machucados e doentes. Se você mora em apartamento, tenha todas as janelas teladas para evitar acidentes. Se quiser adotar um gatinho, visite o site do AUG!

Eu e o Tonico, o começo de tudo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

10 comentários para “Participação de hoje: Denise, voluntária e lar temporário da AUG”

  • Luciana Diz:

    Ótima entrevista. Admiro muito o trabalho dos voluntários, até tentei ser uma, mas dos seis gatos que abriguei acabei adotando três e só doei os outros três porque ficaram só uma semana em casa. O tempo vai passando, me apego a eles e não tenho mais coragem de doar, por isso desisti de abrigar gatos para adoção, mas acho o máximo quem consegue, mesmo sofrendo ao entregá-los.

  • Ana Claudia Diz:

    Arrasou na entrevista Dê! E as fotos são todas lindas.
    Parabéns!
    Bjos.

  • Mariza Leal Lopes Diz:

    Denise que vc seja eternamente abençoada com as melhores coisas desta vida, obrigada pelo legado de amor aos nossos amados e doces gatinhos.Que Deus lhe dê vida longa e cheia de paz,abraço,
    Mariza

  • ROSANGELA Diz:

    Deeeeeeeeeee,saudade de voceeeeee.

    amei sua entrevista,também adoooro estes bichanos.
    hu..hu..hu, vc está muito fofa nesta foto com o Tonico,rs
    bjks
    Ro

  • Ana Paula Diz:

    Sensacional, são pessoas como a Dê que ajudam a fazer a diferença!!
    Parabéns.

  • Mariana Diz:

    Adorei a entrevista com a Denise, sou fã incondicional de todos que fazem parte deste lindo projeto de amor que é a AUG. Tenho duas peludinhas que são minhas filhas queridas a Luna e a Mila, e estou sempre acompanhando o adote, vendo quem foi adotado, lendo o blog mas infelizmente a distância pois sou do Rio. Mas assim que eu puder vou dar um pulinho em Sampa e conhecer vcs de perto.Bjs carinhosos
    Denise seus filhotes são uns fofos!!!!

  • Denise Diz:

    Sou Denise tambem; tenho 4 gatos:Xilu, Gaspar, Bono e Anita… já tive outros qu são anjinhos!
    Fico muito feliz em ver o trabalho carinhoso de pessoas especiais e queridas como voce..bjo grande!!!

  • Níni Diz:

    Denise, adorei saber toda essa trajetória!
    De fato é uma dádiva dividir nosso tempo nessa vida com esses bichanos!
    Obrigada por seu carinho e dedicaçao!
    Beijos

  • Ana Diz:

    amei essa entrevista também…a Denise ama muito os gatinhos…e cuida deles muito bem…é sempre bom ver como existem mais pessoas que amam gatinhos e que cuidam deles com muito amor. Eles são lindinhos, fofinhos, deve ser realmente muito difícil ter que se separar deles. Parabéns Denise por todo seu cuidado, amor, dedicação e tudo mais que você oferece para esses fofinhos.

    Obrigada ao blog por mais uma história maravilhosa!

    bjnhs
    ;**

  • Diz:

    owwwwwww… não me canso de olhar para as fotos dos meus filhos, temporários ou não. :)

Deixe um comentário